António Victorino de Almeida – Sonata

António Victorino d’Almeida – Sonata para Viola e Piano op.94 (1994)

Notas ao programa

Dedicada a Ana Bela Chaves e a Olga Prats, esta sonata teve também como motivo inspirador uma novela (transposta para o teatro) de Simone de Beauvoir: “La Femme Rompue”.   Sem quaisquer intuitos descritivos – que só costumam existir na minha música a um nível muito indirecto -, estes quatro andamentos não deixam todavia de implicar uma alusão à dramática ou mesmo desesperada situação de uma mulher abandonada por tudo e por todos que vive na ilusão de ainda um dia  recuperar um passado que teria por feliz e bem sucedido…

Teria sido esse passado verdadeiramente bom?… Ou então seria o obstinado apego a um tempo já vivido uma espécie de sonho com algo que nunca existira – pelo menos com aquela aura quase absurda de romantismo que surge no inesperado “Slow Fox” do terceiro andamento?   Uma vez mais, há nesta sonata uma razão para que eu mude bruscamente de linguagem estética – e de técnica musical – durante uma obra, pois considero que a vida está demasiado cheia de cambiantes, de contrastes ou até de incongruências para que a possamos descrever ou interpretar amarrados a uma só forma de expressão, seja ela tonal, atonal, politonal ou o que for…

António Victorino d’Almeida